Águas abertas: Ana Marcela é ouro e Viviane Jungblut prata na Itália

Águas abertas: Ana Marcela é ouro e Viviane Jungblut prata na Itália

[ad_1]

Asseguradas nos Jogos de Paris 2024, a baiana Ana Marcela Cunha e gaúcha Viviane Jungblut garantiram dobradinha de ouro e prata do país na prova de 10 quilômetros da etapa de Golfo Aranci (Itália) da Copa do Mundo de Águas Abertas. Ana Marcela foi a primeira a concluir o percurso nesta sexta-feira (24), com o tempo de 2h0min00s70, seguida por Viviane (2h02min02s00). A alemã Leonie Beck (2h02min02s20), campeã mundial no ano passado, completou o pódio com o bronze.  Na disputa masculina, o representante brasileiro foi  Matheus Melecchi terminou na 22ª colocação. 

Ana Marcela e Viviane já haviam subido ao pódio juntas ano passado, nos Jogos Pan-Americanos de Santiago (Chile), quando foram prata e bronze, respectivamente.

Com o ouro de hoje, Ana Marcela ampliou para 18 o total de medalhas em competições mundiais. A etapa italiana da Copa do Mundo é a segunda de um total de cinco. A etapa de abertura foi em Soma Bay (Egito), em março, Ana Marcela terminou na quinta posição. No mês seguinte, ela e Viviane carimbaram passaporte olímpico durante o Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos

As três etapas restantes da Copa do Mundo ocorrerão após os Jogos de Paris.



[ad_2]

Fonte: Agência Brasil

Brasileiras garantem cinco pódios, 2 de ouro, no Mundial Paralímpico

Brasileiras garantem cinco pódios, 2 de ouro, no Mundial Paralímpico

[ad_1]

As brasileiras dominaram o pódio nesta terça-feira (21), quinto dia do Mundial de Atletismo Paralímpico, em Kobe (Japão). Teve dobradinha do país na prova dos 100 metros da classe T11 (deficiência visual), com tricampeonato da acreana Jerusa Geber e bronze da paranaense Lorena Spoladore. O segundo ouro do dia, com direito a recorde mundial, foi da baiana Raissa Machado, no lançamento de dardo F56 (atletas que competem sentados). Outro pódio duplo do Brasil foi nos 400m T12 (deficiência visual), com prata da capixaba Lorraine Aguiar e bronze da rondoniense Ketyla Teodoro.

Nascida em Rio Branco (AC), Jerusa Jeber venceu nos 100m após arrancar nos últimos cinco metros, quando ultrapassou a líder da prova, a chinesa Cuiqing Liu. A brasileira cruzou a linha de chegada em 11s93, deixando a chinesa com a prata (12s00) e a compatriota Lorena com o bronze (12s26).

“Os 100 metros é a prova mais emocionante que tem na competição. É a mais rápida do mundo. A minha largada não é das melhores, mas durante a corrida a gente conseguiu recuperar. Minha mãe e meu esposo estão na arquibancada. Isso me motivou ainda mais. É a minha 10ª medalha em Mundiais e meu tricampeonato. Mais uma medalha para a nossa coleção. Não tenho palavras para explicar a emoção. Obrigada pela torcida de todos”, comemorou Jerusa, em depoimento ao Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB).

A terça (21) também foi dourada para a Raissa Machado, vice-campeã nos Jogos de Tóquio, que faturou seu primeiro título mundial no lançamento de dardo F56 ao alcançar a marca de 24m22, estabelecendo novo recorde na competição. O anterior pertencia à iraquiana Hashemiyeh Moavi, atual campeã paralímpica. Em Kobe, Moavi ((22,74m) foi prata e o bronze ficou com a chinesa Lin Sitong (22,68m).

“Estava sempre batendo na trave. Precisava muito dessa medalha. Eu fiz uma marca boa. Há tempos, buscava superar os 24m novamente, porque, infelizmente, passei por um período que não foi tão fácil. Todo atleta passa por isso, por uma estagnação, mas agora espero só evoluir. A medalha de ouro me dá uma tranquilidade. Era um dos critérios para ir aos Jogos de Paris e espero melhorar meu desempenho lá”, projetou a lançadora de 28 anos, nascida na pequena Ibipeba (BA).

Na segunda dobradinha brasileira em Kobe, a capixaba Lorraine Aguiar conquistou a prata, sua primeira medalha em Mundiais, ao completar os 400m T12 em 58s26.  O bronze ficou com a rondoniense Ketyla Teodoro (1min00s21). A vencedora da prova foi a iraniana Hajar Safarzadeh Ghahderijani (57s56).

O Mundial termina no próximo sábado (25). Ao todo, a competição reúne 1.069 atletas de 102 países. A delegação brasileira conta com 46 atletas e 10 atletas-guia.



[ad_2]

Fonte: Agência Brasil

Brasil e EUA disputam final da primeira edição da Copa Ouro feminina

Brasil e EUA disputam final da primeira edição da Copa Ouro feminina

[ad_1]

O Brasil enfrenta os Estados Unidos, a partir das 21h15 (horário de Brasília) deste domingo (10) no Snapdragon Stadium, em San Diego (Estados Unidos), pela decisão da primeira edição da Copa Ouro de futebol feminino.

Para a seleção brasileira esta final é um grande desafio, isto porque as norte-americanas têm uma ampla vantagem na história dos confrontos: em 30 jogos há 23 vitórias dos EUA, 4 empates e 3 triunfos brasileiros. O último enfrentamento entre as equipes foi no ano passado, durante a Copa She Believes. Naquela oportunidade a equipe da terra do Tio Sam venceu por 2 a 1.

Na Copa Ouro o Brasil faz uma campanha perfeita até aqui, com cinco vitórias: Porto Rico, Colômbia e Panamá na fase de grupos, a Argentina nas quartas de final e o México nas semifinais.

Seleção renovada

Maior vencedora de Copas do Mundo (com quatro títulos), a seleção norte-americana é uma das forças do futebol feminino na atualidade. Porém, a equipe passa por um momento de renovação. Apesar de contar na Copa Ouro com a experiente Alex Morgan, que já marcou duas vezes na competição, os Estados Unidos também têm como destaques as jovens atacantes Trinity Rodman, Sophia Smith e Jaedyn Shaw.

Os Estados Unidos chegam à decisão com uma campanha pior que a do Brasil. As norte-americanas estrearam com uma goleada de 5 a 0 sobre a República Dominicana. Depois bateram a Argentina por 4 a 0. Porém, diante do México, perderam de 2 a 0. Nas quartas de final as donas da casa venceram a Colômbia por 3 a 0 e depois superaram o Canadá na disputa de pênaltis para alcançarem a final da Copa Ouro.

Copa Ouro

A edição inaugural da Copa Ouro feminina, competição organizada pela Concacaf (Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe), conta com a participação de quatro equipes convidadas da Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol): Brasil, Colômbia, Argentina e Paraguai. Estas seleções foram as semifinalistas da última edição da Copa América Feminina.



[ad_2]

Fonte: Agência Brasil

Brasil encara México por vaga na final da Copa Ouro Feminina, nos EUA

Seleção feminina estreia em abril no Torneio SheBelieves Cup, nos EUA

[ad_1]

Invicta na Copa Ouro, a seleção feminina brasileira de futebol entra em campo contra o México na noite desta quarta-feira (6) em busca da classificação à final. A partida decisiva começa às 21h (horário de Brasília), no Estádio Snapdragon, em San Diego, no estado da Califórnia (Estados Unidos).  Quem ganhar, enfrentará a equipe vencedora da outra semi, entre Canadá e Estados Unidos, às 0h15 de quinta (7).

O Brasil é o último país sul-americano remanescente na primeira edição da Copa Ouro, torneio organizado pela Confederação de Futebol da América do Norte (Concacaf), que começou com seleções. O retrospecto é favorável à seleção brasileira: nas 14 vezes que estiverem frente a frente, o Brasil somou 13 vitórias e apenas uma derrota. No entanto, o México encerrou a fase de grupos na liderança da chave A, à frente dos Estados Unidos, tetracampeão mundial e com quatro ouros olímpicos.

“Com certeza será um adversário que vai nos exigir bastante. É um jogo bastante físico, de caixas individuais, junto com reações e transições muito rápidas. Elas são uma equipe que tem um conjunto muito forte, têm as suas individualidades também, especialmente na frente, e têm feito vários gols na competição. O Brasil tem ‘poluído’ na maneira de jogar, naquilo que eu e as jogadoras acreditamos. Estamos construindo a nossa identidade, nosso modelo de jogo cada vez mais e não vamos abrir mão disso nessa partida também”, disse o treinador, que contará com todo elenco à disposição para o duelo desta noite. 

A seleção carimbou a vaga nas semifinais com goleada (5 a 1) sobre a Argentina. Antes, a equipe enfileirou três vitórias consecutivas na fase de grupos, terminando na liderança da chave A. Bateu Porto Rico por 1 a 0; repetiu o placar contra a Colômbia; e por fim aplicou 5 a 0 na última rodada contra o Panamá.

Já as adversárias mexicanas avançaram à semi ao vencerem as paraguaias por 3 a 2. A campanha na fase de grupos começou com 0 a 0 contra a Argentina. Na rodada seguinte, o México atropelou a República Dominicana (8 a 0) e depois, no último jogo, superou os Estados Unidos por 2 a 0.



[ad_2]

Fonte: Agência Brasil

Invicta na Copa Ouro, seleção feminina fecha 1ª fase com goleada 

Invicta na Copa Ouro, seleção feminina fecha 1ª fase com goleada 

[ad_1]

Dois dias após carimbar a classificação às quartas de final da Copa Ouro, a seleção feminina brasileira de futebol aplicou 5 a 0 no Panamá na madrugada desta quarta-feira (28), mantendo a invencibilidade no último jogo da fase de grupos, realizado em San Diego, no estado da Califórnia (Estados Unidos. A atacante Geyse marcou duas vezes e os demais gols foram de Bia Menezes (lateral-esquerda), Rafaelle (zagueira) e Debinha (meio-campista).

Líder do Grupo B (que tem ainda Colômbia, Porto Rico e Panamá), agora a seleção aguarda os resultados do término da rodada na madrugada desta quinta (29) para conhecer o adversário no mata-mata. O jogo provavelmente ocorrerá no sábado (2) ou no domingo (3), na cidade de Los Angeles.

Após a goleada sobre o Panamá, o técnico da seleção Arthur Elias avaliou o desempenho da equipe ao longo da competição.

“Estou muito satisfeito, porque estamos numa fase de algumas definições importantes. Para isso, a equipe ainda precisa fazer jogos, como tem feito, numa competição que demonstre maior consistência e evolução. Hoje, tivemos a oportunidade de realizar um jogo em que ficamos mais tempo com a posse de bola. Acredito que nossa equipe também encontrou espaços e demonstrou muito repertório para fazer gols de diferentes maneiras”.

 

A seleção embarca na tarde de hoje (28) para a cidade de Los Angeles, onde onde ocorrerá a partida eliminatória das quartas de final, no sábado (2) ou no domingo (3). Para a fase mata-mata, Arthur Elias planeja reforçar o trabalho mental das jogadoras.

“Estamos trabalhando justamente para passar mais confiança à seleção brasileira, que não vem de grandes resultados nas competições internacionais. Há um aspecto mental em que não vejo um excesso de confiança no momento; pelo contrário, quero que tenham mais confiança e que entendam que cada jogo tem sua história”

Esta é a primeira edição da Copa Ouro, organizada pela Confederação de Futebol da América do Norte (Concacaf), que reúne 12 seleções – Brasil, Colômbia, Argentina e Paraguai participam como convidados por terem sido finalistas na última Copa América Feminina. As demais seleções são Porto Rico, na disputa as seleções dos Estados Unidos, México, República Dominicana, Porto Rico, Canadá, Costa Rica e El Salvador, além do Panamá.



[ad_2]

Fonte: Agência Brasil

GP de Dubai: André Rocha conquista ouro no lançamento de peso

GP de Dubai: André Rocha conquista ouro no lançamento de peso

[ad_1]

O paulista André Rocha conquistou, nesta quarta-feira (14), a medalha de ouro na prova de lançamento de disco da classe F52 (atletas que competem sentados) no Grand Prix de atletismo paralímpico que está sendo disputado em Dubai (Emirados Árabes Unidos).

O brasileiro venceu a prova ao lançar o disco a 20,08 metros. Já a medalha de prata ficou com o letão Aigars Apinis, com a marca de 19,88 metros, enquanto o bronze foi para o lituano Kestutis Skucas, que lançou o disco a 14,92 metros.

A outra medalha do Brasil na competição foi alcançada por Verônica Hipólito, na última terça-feira (13) na prova dos 200 metros da classe T36 (paralisados cerebrais). A atleta de 27 anos garantiu a terceira colocação ao terminar a prova em 32s19. Ela ficou atrás da alemã Nicole Nicoleitzik, segunda colocada com o tempo de 31s94, e da holandesa Cheyenne Bouthoom, ouro com 30s96.

O Grand Prix de atletismo de Dubai conta com a participação de 537 atletas de 71 países e será disputado até a próxima quinta-feira (15). O Brasil tem cinco representantes na competição.



[ad_2]

Fonte: Agência Brasil

Seleção feminina: Arthur Elias inova na convocação para a Copa Ouro

Seleção feminina: Arthur Elias inova na convocação para a Copa Ouro

[ad_1]

O técnico Arthur Elias convocou na tarde desta quinta-feira (1º) as 23 jogadoras da seleção brasileira de futebol que disputarão a primeira edição da Copa Ouro Feminina da Concacaf (Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe), a partir de 21 de fevereiro, nos Estados Unidos. O treinador chamou pela primeira vez sete atletas mas, diferentemente das listas anteriores, não elencou as atacantes Marta e Cristiane.  A  convocação ocorreu na sede da CBF, no Rio de Janeiro.

As novidades na relação de Arthur Elias são as jogadoras Amanda (goleira do Fluminense); Bia Menezes (lateral do São Paulo); as zagueiras Tarciane (Corinthians) e Thaís Ferreira (Tenerife);  Vitória Yaya (meia-atacante do São Paulo) e Aline Gomes e Duda Santos (ambas atacantes da Ferroviária).

A primeira fase da Copa Ouro reunirá 12 seleções, divididas em três grupos. O torneio servirá de preparação para a Olimpíada de Paris – a equipe feminina assegurou vaga ao vencer a Copa América de 2022. A competição ocorrerá nas cidades San Diego, Carson, Los Angeles e Houston. A disputa do título está programada para 10 de março.

Além do Brasil, outras três seleções do continente sul-americano participam da Copa Ouro como convidadas: Colômbia, Argentina e Paraguai (todas semifinalistas da Copa América 2022). O Brasil está no grupo B, junto com Colômbia, Panamá e o vencedor de Haiti x Porto Rico, que jogam na fase preliminar. Este último, será o adversário do Brasil na estreia, em 21 de fevereiro. Três dias depois, a seleção encara a Colômbia e no dia 26 de fevereiro mede forças com o Panamá. Todos os duelos da fase inicial serão disputados no Estádio Snapdragon, em San Diego, no estado da Califórnia. 

Convocadas

GOLEIRAS

Letícia – Corinthians

Luciana – Ferroviária

Amanda – Fluminense

DEFENSORAS

Rafaelle – Orlando Pride

Lauren – Kansas City

Antonia – Levante UD

Tarciane – Corinthians

Thaís Ferreira – Tenerife

Yasmim – Corinthians

Bia Menezes – São Paulo

MEIO-CAMPISTAS

Ary Borges – Racing Louisville

Aline Milene – São Paulo

Duda Sampaio – Corinthians

Julia Bianchi – Chicago Red Stars

Vitória Yaya – Corinthians

ATACANTES

Duda Santos – Ferroviária

Adriana – Orlando Pride

Geyse – Manchester United

Bia Zaneratto – Kansas City

Debinha – Kansas City

Gabi Nunes – Levante UD

Gabi Portilho – Corinthians

Aline Gomes – Ferroviária



[ad_2]

Fonte: Agência Brasil

Governo faz acordo para proteger extração de ouro

Governo faz acordo para proteger extração de ouro

[ad_1]

O governo federal assinou nesta sexta-feira (5), em Brasília, um acordo de cooperação técnica com mineradoras para criar um plano de segurança nos municípios onde há extração de ouro. A meta é prevenir roubos de cargas por quadrilhas organizadas e fortemente armadas, conhecidas como “novo cangaço”, além de preparar a população para casos de ataques.

A parceria foi firmada entre o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) e o Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram). Segundo os representantes das duas partes, devem ser selecionados, inicialmente, cerca de 10 municípios entre as mais de 50 cidades onde a extração de ouro é mais intensa.

O ministro interino da Justiça, Ricardo Cappelli, destacou que o acordo é importante para dar segurança ao setor mineral do país, protegendo os investimentos e a economia brasileira.  

“O setor representa boa parte da balança comercial brasileira e tem importância estratégica para a economia do país. E quando estabelecemos essas parcerias, estamos, do ponto de vista do Ministério da Justiça e Segurança Pública, auxiliando no desenvolvimento porque a segurança faz parte da questão do desenvolvimento”, destacou Cappelli.   

Segundo o Ibram, entre 2010 e 2019, foram registrados 11 assaltos a cargas de ouro no Brasil. O vice-presidente do Ibram, Fernando Azevedo e Silva, afirmou que buscou o ministério porque o setor entendeu que eram necessárias medidas do poder federal para combater a ação das quadrilhas.  

Impacto

“A criminalidade violenta vem impactando as operações de empresas de mineração de ouro e de peças preciosas no país. A atratividade do ouro produzido em municípios do interior, com carência de recursos estatais para garantir a ordem pública, foi identificada como fator primordial de atos criminosos”, destacou Fernando, que foi ministro da Defesa do governo Bolsonaro.

O acordo firmado com as mineradoras faz parte do Programa Nacional de Enfrentamento às Organizações Criminosas, justificou o diretor de Operações de Inteligência da Secretaria Nacional de Segurança Pública, Romano Costa.

“Será realizado nessas cidades um planejamento integrado com as forças de segurança pública e com as empresas, de forma que a gente possa planejar e gerar simulados e prevenção no tocante a possibilidade de realização de ataques das organizações criminosas na modalidade de domínio de cidade, vulgarmente conhecido como novo cangaço”, destacou. 

[ad_2]

Fonte: Agência Brasil

Brasil conhece adversários da Copa Ouro de futebol feminino

Brasil conhece adversários da Copa Ouro de futebol feminino

[ad_1]

A seleção brasileira conheceu nesta terça-feira (12) os seus adversários na fase de grupos da primeira edição da Copa Ouro de futebol feminino, que será disputada entre 17 de fevereiro e 10 de março de 2024 nos Estados Unidos. O Brasil caiu no Grupo B, que tem sede no Snapdragon Stadium, em San Diego, e que também conta com Colômbia, Panamá e o vencedor de Haiti e Porto Rico, que medem forças na fase preliminar da competição.

A edição inaugural da Copa Ouro feminina, competição organizada pela Concacaf (Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe), contará com a participação de quatro equipes convidadas da Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol): Brasil, Colômbia, Argentina e Paraguai. Estas seleções foram as semifinalistas da última edição da Copa América Feminina.

O torneio terá início no dia 17 de fevereiro, com três partidas da fase prévia: Guiana contra República Dominicana, Haiti versus Porto Rico e El Salvador diante da Guatemala. No dia 20 tem início a fase de grupos, que será disputada em três sedes até o dia 28: Carson (Grupo A), San Diego (Grupo B) e Houston (Grupo C). A decisão será disputada em 10 de março em San Diego.

O Grupo A conta com a participação de Estados Unidos, México, Argentina e o vencedor do jogo entre Guiana e República Dominicana. Já o Grupo C é formado por Canadá, Costa Rica, Paraguai e quem triunfar entre El Salvador e Guatemala.



[ad_2]

Fonte: Agência Brasil

Suárez e Aline Gomes ganham Bola de Ouro do Campeonato Brasileiro

Suárez e Aline Gomes ganham Bola de Ouro do Campeonato Brasileiro

[ad_1]

A mais tradicional – e a maior – premiação do futebol nacional, a ESPN Bola de Prata Sportingbet, elegeu hoje (7), em São Paulo, os melhores jogadores e as melhores jogadoras do Campeonato Brasileiro. E os premiados com a Bola de Ouro foram Aline Gomes, da Ferroviária, e Luís Suárez (foto), do Grêmio.

Além da Bola de Ouro, a jogadora Aline Gomes também foi recebeu duas Bolas de Prata de revelação do campeonato e melhor atacante. Já Suárez levou também a Bola de Prata de melhor atacante.

“Sempre vou me lembrar de todo o carinho da gente daqui, do torcedor do Grêmio e dos torcedores de outros times. Isso vai ficar na minha lembrança”, disse Suárez, que está se despedindo do Brasil. Ele deve ir para o Inter Miami, onde joga seu amigo Lionel Messi.

Aline, a maior vencedora da noite, celebrou os prêmios que recebeu. “Fiquei sabendo que tinha recebido o Bola de Ouro e também de [melhor] atacante. Mas o de revelação foi uma surpresa, só foi revelado na hora. Estou muito feliz”, disse ela.

Quando questionada se poderá, no futuro, se tornar sucessora da Marta, considerada a maior jogadora da história do Brasil e do futebol mundial, Aline disse que poderá assumir essa responsabilidade. “Essa é uma responsabilidade muito grande, mas aceito. Vou pegar para mim essa responsabilidade. Igualar-me a ela será muito difícil, não tem como comparar. Mas aceito esse posto e vou treinar bastante [para isso]”, argumentou.

Bola de Prata

Com a Bola de Prata, que premia os melhores jogadores e jogadoras do campeonato em diversas categorias, a equipe que teve mais atletas premiados foi o Palmeiras, que se consagrou campeão brasileiro na noite de ontem (6), conquistando o 12º título no Campeonato Brasileiro.

No masculino, o Palmeiras conquistou a Bola de Prata de melhor treinador para Abel Ferreira. Também foram premiados o jovem Endrick (revelação e gol mais bonito), o goleiro Weverton, Raphael Veiga (meia), Mayke (lateral-direito), Murilo (zagueiro) e Piquerez (lateral-esquerdo).

Outros jogadores que levaram a Bola de Prata foram: Adryelson (zagueiro do Botafogo), Villasanti (volante do Grêmio), Pulgar (volante do Flamengo), Arrascaeta (meia do Flamengo) e Hulk (atacante do Atletico-MG). Paulinho, do Atlético-MG, levou a Bola de Prata de artilheiro do Brasileirão, com 19 gols.

Técnico do Palmeiras quer descansar

Durante entrevista após receber o prêmio de melhor técnico de uma equipe masculina no Campeonato Brasileiro, Abel Ferreira falou sobre a sua permanência no Palmeiras. “Primeiro de tudo eu preciso descansar. Não posso tomar boas decisões no meio do furacão. Sou um treinador muito emocional. Tomei decisões muito egoístas nos últimos anos que tiveram impacto na minha família. Mas há uma forte oportunidade de eu continuar o meu contrato, gosto de cumprir meus contratos”, disse ele, reforçando que ainda vai pensar sobre o assunto.

“Ao contrário do que alguns pensam, ganhar de forma consecutiva dá muito trabalho. É um desgaste muito grande, é preciso muita energia. E eu preciso ter energia: mas quem cuida de mim para eu cuidar dos outros? Minha função é cuidar dos outros, inspirar os outros, passar energia aos outros. Mas quem faz isso comigo? Foram três anos muito intensos, muito prazerosos, de muitas conquistas, de muitas alegrias e algumas desilusões. Mas o mais importante agora é pedir que os torcedores palmeirenses desfrutem do título e não pensem no treinador do Palmeiras. Um dia o treinador do Palmeiras vai embora. Não sei quando. Mas o Palmeiras vai continuar sendo grande. Mas o que preciso agora é ir para casa e descansar, desligar as luzes e estar com minha família”, completou.

Futebol feminino

Já no futebol feminino, o grande vencedor foi o Corinthians, que venceu todas as quatro competições que disputou este ano: Libertadores, Paulista, Brasileiro e Supercopa do Brasil. O então técnico da equipe, Arthur Elias, que atualmente assumiu a seleção brasileira feminina, também foi premiado como o melhor treinador do Brasileiro. Também foram premiadas as jogadoras Kati (lateral-direita), Duda Sampaio (meia), Jheniffer (atacante), Yasmin (lateral-esquerda), Luana Bertolucci (volante), Vic Albuquerque (meia).

Outras jogadoras que foram contempladas com a Bola de Prata foram Luciana (goleira da Ferroviária), Day Silva e Luana (zagueiras da Ferroviária) e Brena (Santos).

Amanda Gutierres (Palmeiras) levou a Bola de Prata como artilheira (14 gols) e Vanessinha (Cruzeiro) venceu a disputa do gol mais bonito da competição.

Aos jornalistas, após receber o prêmio, o técnico Arthur Elias disse que 2023 foi um “ano fantástico” para ele.

“Vencemos os quatro campeonatos que disputamos. Sair do Corinthians com esse resultado é muito gratificante para mim, deixei um grande legado. Além desse ano histórico para o clube, veio o convite para a seleção brasileira. Me preparei muitos anos para isso e eu estou otimista com tudo o que posso construir lá. A gente quer colocar a seleção brasileira em outra posição e que todo mundo volte a respeitar e admirar a seleção. Elas [as atletas] merecem”, ponderou.

Bola de Ouro

A edição deste ano marca os 50 anos do troféu Bola de Ouro, destinado ao melhor jogador e melhor jogadora do Campeonato Brasileiro. O troféu foi criado em 1973, após três edições do Bola de Prata, evento que, na época, era promovido pela Revista Placar. Na primeira edição, houve um fato inusitado, que nunca mais se repetiu: o prêmio foi dividido entre dois jogadores: o goleiro argentino do Santos, Agustín Cejas, e o zagueiro uruguaio do Grêmio, Atílio Ancheta.

Ao longo dos anos, a iniciativa consagrou grandes craques e nomes do futebol brasileiro como Zico, que levou o prêmio em 1974 e em 1982 pelo Flamengo. Além dele, também ganharam duas Bolas de Ouro os jogadores Falcão (em 1978 e 1979), Toninho Cerezo (1977 e 1980), o goleiro Roberto Costa (1983 e 1984) e César Sampaio (1990 e 1993).

Outros grandes jogadores que já receberam o troféu foram Neymar (2011), Ronaldinho Gaúcho (2012) e Romário (2000). Desde 2021, o prêmio passou também a contemplar a competição feminina.

[ad_2]

Fonte: Agência Brasil